anúncio

Textos - exercício rápido de digitação Lições - curso rápido de digitação

feche e comece a digitar

Texto - "As Minas de Salomão" H. Rider Haggard


Nunca imaginei que tão prodigiosa ocorrência se pudesse dar na minha vida--vida que me parece bem cheia, e vida que me parece bem longa... Sem dúvida, por a ter começado tão cedo! Com efeito, na idade em que os outros rapazes ainda soletram nos bancos da escola, já eu andava agenciando o meu pão por esta velha colônia do Cabo. E por aqui fiquei desde então, metido em negócios, em serviços, em travessias, em guerras, em trabalhos--e nessa dura profissão, que é a minha, a caça ao elefante e ao marfim. Pois, com toda esta diligência, só ultimamente, há oito meses, arredondei o meu saco. É um bom saco. É um saco graúdo, louvado Deus. Creio mesmo que é um tremendo saco! E apesar disso, juro, que para o sentir assim, redondo e soante entre as mãos, não me arriscava a passar outra vez os transes deste terrível ano que lá vai. Não! Nem tendo a certeza de chegar ao fim com a pele intacta e com o saco cheio. Mas eu no fundo sou um tímido, detesto violências, e ando farto, farto de aventuras! Como dizia pois, é coisa estranhíssima que assim me lance a escrever um livro. Não está nada no meu feitio ser homem de prosa e de letras--ainda que, como outro qualquer, apreciar as belezas da Santa Bíblia e gozo com a História do Rei Arthur e da sua Távola Redonda. No entanto tenho razões, e razões consideráveis, para tomar a pena com esta mão inábil que há quase cinquenta anos maneja a carabina. Em primeiro lugar, os meus companheiros, o barão Curtis e o digno capitão da Armada Real John Good (a quem chamo por hábito "o capitão John") pediram-me para relatar e publicar a nossa jornada ao Reino dos Kakuanas. Em segundo lugar, estou aqui em Durban, estirado numa cadeira, inutilizado para umas semanas, com os meus achaques na perna. (Desde que aquele infernal leão me traçou a coxa de lado a lado, fiquei sujeito a estas crises, todos os anos, ordinariamente pelos fins do outono. Foi em fins de outono que apanhei a trincadela. É duro que depois de um homem matar, no decurso da sua honrada carreira, quarenta e cinco leões, seja justamente o último, o quadragésimo sexto que o filé e use dele como de tabaco que se masca. É duro! Quebra a rotina, a estimável rotina--e para mim, pessoa de ordem, qualquer surpresa me sabe pior do que fel). Em terceiro lugar, além de encher os meus ossos, componho esta história para meu filho Henrique, que está em Londres, interno no hospital de S. Bartholomeu, estudando Medicina. É uma maneira de lhe mandar uma longuíssima carta que o entretenha e que o prenda. Serviço de doentes, numa enfermaria abafada e lôbrega, deve pesar intoleravelmente. Mesmo o retalhar cadáveres termina por ser uma rotina, rica em monotonia e tédio:--e assim esta história, onde tudo há menos tédio, vai por uns dias levar ao meu rapaz uma saudável e alegre sensação de aventuras, de viagens, de força e de vida livre. E enfim, como última razão, escrevo esta crônica, por ser, sem dúvida, a mais extraordinária que conheço--na Realidade ou na Fábula. Digo "extraordinária" mesmo para os Leitores profissionais de Romances--apesar de nela não haver mulheres, além da pobre Fulata. Há Gárgula, sim. Mas esse monstro tinha cem anos, pouca forma humana, e não sensibiliza. Em todas estas duzentas páginas, realmente, não passa uma saia. E todavia, assim escasso como é nas graças do Feminino, não creio que exista um caso mais raro e mais cativante.

a melhor maneira de aprender a digitação é usar AgileFingers!
começe a digitar!